sexta-feira, fevereiro 23, 2007

os filhos da madrugada vinham em sentido contrário lá prós baixos de um jardim. e aqueles que ficaram mesmo ali ao pé de lagos. venham mais cinco que eles comem tudo. em cada rosto um amigo, trá-lo contigo também. quando um homem se põe a pensar, só se lembra dos caminhos velhos. minha mãe quando eu morrer, venham altas montanhas que eu não vou só. maior que o pensamento, o povo é quem mais ordena. e eu não sei como se chama, ó vila morena, ó maduro maio. (continua. continua sempre.)

1 Comment:

nuno said...

olha, será que a censura de comentários estará activada neste post? será? queres ver? de que cor é o botão que usas para recusar comentários? será porventura azul? será?

pq caralho o zeca não está nomeado para aquela palhaçada dos portugueses maiores? hum? será pq isto é tudo uma bela duma merda? nota-se que estou chateado hoje?