segunda-feira, fevereiro 12, 2007

sejamos justos

o sim fez uma campanha séria e enfadonha, focada na despenalização. não houve barrigas mandadas por ninguém, gritaria no meio da rua. nada. a ana drago viu-se pouco e ouviu-se ainda menos. uma seca, portanto. até o único momento realmente engraçado foi uma resposta ao vídeo do outro lado.

foi o não que proporcionou excelentes momentos de humor. tantos, tantos que são inlincáveis sob risco de colapsar o technorati. fez rir todos os dias por volta das 19h quando ao fim do dia a mente pedia uma boa piada. argumentou, por assim dizer, com pérolas semânticas dignas de um woody allen, com idéias entre o ridículo de uns monty python e uma misteriosa e ténue relação com o debate dignas de um lynch. procurou confundir e atordoar o enredo com a mestria de um fellini. usou e abusou da violência verbal à boa maneira do mel gibson. no rescaldo dos resultados congratulou-se com a abstenção, significado de que os portugueses não querem que a lei mude, o que só poderia lembrar a alguém inspirado no borat. enfim, foi um fartote. que merece a maior das ovações.

mas acima de tudo isto, os maiores respeitos e torso curvado perante a lição de humildade, elevação e democracia na hora da aceitação do resultado.
bem hajam.

6 Comments:

susana said...

ahhhh não me acredito que acabei que li essa m**** outra vez

susana said...

desculpa! estava a referir-me à frase da sra. mafalda

Miguel said...

Um muito obrigado ao Não pela campanha fantástica que fez e que deu a vitória ao Sim.

M.Ferreira said...

O zé, apoiante do sim, assim que soube da vitória pegou no seu carrito e foi apitar para a porta da igreja

João Gaspar said...

eu quero casar com a dra. mafalda!

Carreira said...

Realmente...de lamentar!