quinta-feira, novembro 27, 2008

crónica idiota de um jogo simpático

fui à bola. e fui à borla. ainda não tinha ido ao estádio de alvalade desde que se chama vinte e um (por motivos alheios à minha vontade e ao vosso interesse, numa época da década de 90 cuja exactidão me escapa, vira um sporting-4 salgueiros-1 no «velhinho alvalade»). nem pensava ir, mas um simpático amigo, na impossibilidade de estar presente, passou-me o bilhete para as mãos. à entrada do estádio o simpático segurança perguntou (retórica, é certo, mas simpaticamente) se me podia revistar. já na bancada, enganei-me de lugar e já me preparava para reparar o equívoco quando o simpático efectivo dono do assento disse que não faz mal deixe estar e sentou-se na cadeira ao lado. o jogo começou às 19.45h mas a maioria do simpático «público de alvalade» só chegou já passava das oito da noite, num simpático atraso que poupou milhares de adeptos de ver o sporting a «encaixar» os dois primeiros «tentos» da partida. no que ao jogo diz respeito, o sporting é uma equipa simpática. o paulo bento é um treinador simpático. o barcelona joga com o xavi, o gudhjosen (não me apetece ir confirmar a grafia disto), o hleb e o busquets (quem?) a trocar a bola como quem está entre amigos a jogar um dois-para-dois-balizas-pequenas-muda-aos-cinco-acaba-aos-dez e o paulo bento, num gesto de simpatia extrema, distribui aleatoriamente o romagnoli, o miguel veloso, o pereirinha e o joão moutinho naquela zona a que se convencionou chamar de meio-campo, calhando em sorte ao joão moutinho um inútil lado esquerdo, naquilo que não foi mais do que um simpático desaproveitamento do único jogador do sporting com, digamos, inteligência. os jogadores do sporting retribuiram o simpático gesto do treinador que os pôs a assitir ao jogo do barcelona numa zona privilegiada e deixaram o adversário jogar, sem chatear muito e sem fazer faltas. os defesas do sporting, com inveja dos colegas do meio-campo, também quiseram ver bem o jogo e decidiram que nenhum deles iria marcar o messi, numa simpatia talvez sem precedentes no futebol. o messi, que é um gajo simpático, só passou cerca de dez vezes por cada um deles. numa delas para o simpático henry (que só entrou na área uma vez ou duas, por pura simpatia) fazer o golo. e ao intervalo, o 0-2, era das coisas mais simpáticas a assinalar. o público do sporting, que é amaricadamente simpático, não assobia (ou se assobia logo outra facção reclama contra os assobios) e muito menos insulta os jogadores do sporting. a perder 2-0 em casa, com cerca de meio remate à baliza, a levar um (como é que se chama?) banho de bola daqueles à antiga e nem um insulto aos jogadores. nem um filho da outra, um corram caralho, nada. uma simpatia. na segunda parte, já depois daquele simpático livre (que eu julgava que a partir dos iniciados era proibido) em que o sporting cada vez mais simpático deixou o messi marcar o 3-0 (0-3, pronto, que picuinhas, pá), o guardiola, que é um gajo simpático, tirou o messi (e mais tarde o henry e o xavi - coisa pouca). o árbitro, contagiado pela simpatia de ambas as equipas, considerou que uma bola no peito do marquez era falta. o marquez até este momento não sabia sequer que estava a jogar (já tinha visto na primeira parte o yannick a correr ao pé dele mas não ligou muito). o miguel veloso (o jogador do sporting com menos, vamos lá, inteligência, apesar da concorrência do caneira), num gesto que desafia todas as leis da lógica e da física, conseguiu que o esférico descrevesse uma trajectória livre de perturbações entre o seu pé esquerdo e as redes da baliza. o simpático público de alvalade finalmente gritou, entre a incredulidade do que acabara de ver e o desapontamento pelo adiantado da hora. os defesas do barcelona, que tinham assitido com passividade a mais de uma hora de simpatia do sporting e ao gesto simpático do árbitro não quiseram ficar atrás e deixaram o liedson isolar-se para a baliza. o liedson (recuso-me a dizer levezinho - que coisa mais apaneleirada) retribuiu a simpatia e marcou. a euforia de alvalade durou 10 segundos, até o caneira (depois do golo do miguel veloso o jogador do sporting com menos inteligência), numa simpática mistura entre tchaikovsy e david carradine, tratou de repôr a vantagem da equipa leonina no que à simpatia diz respeito. os jogadores do barcelona, que simpaticamente tinham deixado de correr aos 30 minutos de jogo, passaram a simpaticamente trocar a bola apenas com o objectivo do bojan marcar um golo. como não estavam a conseguir, o rui patrício foi simpático e ajudou. já a perder 5-2 (porra, chato, outra vez. 2-5), os adeptos leoninos trocaram olés a acompanhar as parcas trocas de bola entre os jogadores do sporting. e, pela única vez, trocaram também a simpatia pelo sentido de humor. os jogadores do barcelona que, por recíproca simpatia (ou compaixão), não tomaram aquilo como uma afronta, não marcaram mais golos para não transformar a simpatia numa, como é que se diz?, humilhação, é isso. a dez minutos do fim, a maioria do simpático público do sporting abandonou o estádio (o que perfaz um total de quase meia hora que aquela malta não viu), num gesto de simpatia para com os jogadores do sporting pois assim não eram obrigados a assobiar no final do jogo (ou então o lanche tinha sido fraquinho e o estômago já pedia uma bucha). fim do jogo. ingenuamente pensei que ia ouvir finalmente assobios e insultos aos jogadores do sporting, mas nada. a simpatia (ou resignação e indiferença, neste caso, talvez) imperou até ao fim. foi simpática a festa. o messi joga mesmo muito e é o segundo jogador mais inteligente do mundo. o sporting é tão simpático que não vai a lado nenhum. já a equipa do sul de frança, infelizmente, tem momentos em que mete medo. mas se tudo correr bem também não ganha nada. e é tudo. um abraço deste vosso simpático amigo.

[foi tudo simpático? quase: estava, como é que se diz?, um frio do caralho.]

9 Comments:

Jp said...

Este texto é simpático, diga-se...
uma seca de uma simpatia... :)

Frio?? Experimenta vir praqui aquecer! -15 que te borras... Um cigarro na rua, entre uma passa e outra, o filtro congela e o cigarro quase apaga...

Já te disse que és um gajo simpático?

gaspar said...

e tu leste isto tudo. (?)
apesar de masoquista, o simpático aqui és tu.

nuno said...

sul de frança. ahahhahah, sul de frança.

azeite said...

como simpatizante (ou será adepto?) do sporting, quero dizer que este texto é uma simpatia.

mas deu-me cá uma vontade de te fazer uma entrada a pés juntos, mesmo por trás, punível com vermelho directo - como recomendam as leis da fifa-, que não te digo nada. a ver se ficavas em forma, como aquele tipo (como é que se chama?): aimar?! sim, acho que é isso. vi-o uma ou duas vezes. um tipo simpático, portanto. deviam ser mais assim para as bandas da luz. isso é que dava um jeitaço para os do lumiar.

boa posta!

extravaganza said...

Eu não percebo nada de bola, mas a entrada a pés juntos que lhe fazia era pela frente, acima dos joelhos e de botas!

Atentamente, de uma sua leitora simpática

extravaganza said...

(Bem... que violenta, nem parece que sou Sporting! :))

joão gaspar said...

o sporting precisava é de mais simpatizantes (e jogadores, já agora) como vocês.

eu também vi o aimar duas vezes. na primeira foi de rambona, na segunda inventou um calcanhar impossível. por mim tem a época feita. temo que o aimar venha a ser outro caniggia, totalmente incompreendido na sua genialidade.

entretanto parece que está uma tragédia grega no intervalo, não se fala mais de futebol.

JHB said...

Eu não sou de intrigas mas diz que lá na Gréc... cof... cof... E sem o simpático segundo jogador mais inteligente do mundo.

Triste consolo

João Gaspar said...

o meu simpático e inútil texto tem (tinha) mais a ver com uma ida à bola enquanto experiência do que com o jogo propriamente dito. e muito menos com o sporting, agremiação pela qual nutro uma simpática indiferença que não me permite sequer entrar conscientemente em tom provocatório.

quanto à grécia, ainda sem ter visto qualquer imagem do jogo, tenho a dizer que a taça uefa me causa quase tanta indiferença como o sporting. a taça uefa é uma competição menor, que não se coaduna com a grandeza do benfica. grandeza essa que se revela no resultado: se é para perder, é para perder à grande.

e fosse a taça uefa uma competição com o mínimo de dignidade, jogada apenas em eliminatórias a duas mãos, na luz o benfica passava.